“Escola são pessoas”

Confira um breve relato da conversa do educador José Pacheco com nossos professores… [Leia mais...]

“Escola são pessoas”

O educador português José Pacheco esteve em nossa escola, na última sexta-feira (23), para uma roda de conversa com cerca de 100 professores das três unidades do Tistu.

O objetivo foi sensibilizar e provocar reflexões sobre o papel do professor/educador do século 21. Segundo Pacheco, vivemos no paradigma da comunicação, aonde não aprendemos mais com modelos de ensino do século XIX. “O professor tem que ensinar o outro a planejar, não tem que fazer projeto para o aluno, tem que fazer junto com ele.” É preciso, segundo ele, novas construções sociais de aprendizagem baseadas na internalização de valores humanos e na prática efetiva da cidadania.

Durante a conversa Pacheco contextualizou suas experiências em diversos núcleos educativos começando pela Escola da Ponte, em Portugal, e experiências que vem ocorrendo no Brasil como o Projeto Âncora, no interior de São Paulo. O educador, que está há 17 anos no Brasil, conta que a América do Sul é onde está o futuro da educação.

De instrução para aprendizagem

Muito além de pensarmos que a aprendizagem acontece através da transferência de conteúdos e conhecimento e que as aulas estão focadas no planejamento dos professores, o educador aponta que há muitas outras possibilidades no mundo atual, uma vez que vivemos na era da comunicação. José Pacheco lembrou que saímos do paradigma da instrução, nascido na primeira revolução industrial, e passamos para o paradigma da aprendizagem. “A aprendizagem acontece quando criamos vínculos afetivos e praticamos valores”, ressalta. Neste processo, de acordo com suas práticas, há três dimensões importantes para a construção de novas comunidades de aprendizagem, que são: o currículo da subjetividade, que recupera a ideia de que cada ser humano é único, que possui seu próprio ritmo e possui talentos que precisam ser desenvolvidos. Ou seja, a educação está focada no aluno.

A segunda dimensão é o currículo da comunidade. Os projetos da escola podem e devem estar focados no desenvolvimento da comunidade a qual está inserida. Não só o aluno aprende, mas os professores, colaboradores, pais, e toda comunidade do entorno participa e aprende junto seja por meios de projetos, assembleias, feiras, entre outros. E a terceira dimensão é o currículo da sustentabilidade. Baseado nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ONU/UNESCO), todo processo educativo deve ser pautado respeitando a ética e os cuidados básicos com a Vida na Terra, com a minimização dos impactos ambientais relacionados à produção de resíduos, cuidado com a água, campanhas de consumo consciente, ou seja, que a escola possa ser um exemplo dessas práticas através de campanhas e projetos com a comunidade escolar.

José Pacheco

Fundador da Escola da Ponte, em Portugal. Trabalhou em conjunto com o MEC para iniciativa de Inovação e Criatividade na Educação Básica do Brasil. Colaborador do Projeto Âncora em Cotia – SP, orienta o projeto de mais de 200 escolas pelo Brasil. Especialista em Leitura e Escrita, é mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. É autor de vários livros e artigos sobre educação, destaque para o Dicionário de Valores, publicado recentemente.

Fonte currículo José Pacheco: portal do educador