Dia Mundial do Autismo

Entrevistamos a especialista Márcia Loss de Carvalho sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA)…[Saiba mais...]

Dia Mundial do Autismo

Hoje (02/04) é o Dia Mundial de conscientização do Autismo, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma alteração neurológica caracterizada por dificuldade de comunicação e socialização, comportamentos repetitivos e estereotipias. Existem diferentes graus do autismo como o leve, moderado e severo.

Atualmente nossa escola acolhe cerca de  30 crianças com autismo de grau muito leve a moderados . Todas as crianças convivem com outras crianças e também possuem atividades específicas do Programa de Atendimento Especial do Tistu (PAE).  Geralmente, as crianças inseridas no PAE tem um acompanhante que os guia nas atividades dentro e fora de sala, o que contribui para o desenvolvimento específico de cada criança.

Entrevistamos a seguir fonoaudióloga Márcia Maria Loss de Carvalho, especialista em Psicomotricidade, Estimuladora Precoce e Psicopedagoga. Márcia atua há mais de 15 anos no Tistu com casos de autismo.

1)Qual a importância da criança com autismo conviver socialmente na escola? E qual a importância de um trabalho especializado para cada caso?

Márcia: É extremamente importante que as crianças com TEA tenham contato com pares. O que quer dizer isso? Crianças da mesma faixa etária para que elas possam de alguma maneira receber qualquer tipo de estimulação (sonora, auditiva, olfativa, tátil, etc.). Pela convivência diária com pares, a criança com TEA tem condição de aprender regras, uso do banheiro, alimentação, aulas especiais, entre outras. Uma frase de Temple Grandin sempre me vem à memória quando se trata de aprendizagem: “Sabiam que eu era diferente, mas não incapaz. Uma porta se abriu e eu atravessei”.

O que é mais importante quando uma família recebe o diagnóstico é iniciar a intervenção precocemente. Quanto mais cedo a intervenção iniciar mais sucesso teremos no futuro dessa criança. E essa intervenção precisa ser realizada por profissionais especializados na área. Cada caso é um caso. Hoje eu atendo mais de 30 famílias no meu consultório. Cada uma das crianças tem uma particularidade que a outra não apresenta. Uma tem mais dificuldade nas questões sociais, a outra nas de fala, a outra nas de linguagem e assim por diante. Por essa razão o planejamento do tratamento de cada criança é individualizado.

2) Tem alguns casos de sucesso no processo de desenvolvimento de alunos com autismo em nossa escola? 

Márcia: Temos muitos casos de sucesso de alunos com TEA do Tistu. Um deles é hoje estudante do segundo ano de Engenharia Elétrica da UP. Em praticamente todas as salas temos um (uma) aluno (aluna) com TEA.

3) O que são estereotipias apresentadas de maneira geral na criança autista?

Márcia: Estereotipias são movimentos repetitivos que visam exclusivamente a auto estimulação, isto é, a criança se estimula sozinha para buscar sensações físicas prazerosas e uma regulação sensorial do organismo. Exemplos: “flapping” – movimento de balançar as mãos, pular na cama, no sofá, na frente da TV, girar sobre seu próprio eixo, olhar objetos que giram, movimento repetitivo para frente e para trás, correr sem função ou objetivo claro, andar na ponta dos pés, movimentar dedos e mãos na frente dos olhos, entre outros.

4) Estima-se que no Brasil existem dois milhões de autistas, e o que torna a questão vulnerável é a falta de tratamento adequado. Como você vê a questão na sociedade? O que precisa ser feito para conscientizar famílias, escolas e órgãos públicos ?

Márcia: Vivemos num país que, infelizmente, o setor público trata com um grande descaso esta realidade. A maioria das iniciativas são provenientes de organizações não governamentais e união de pais que se mobilizam em busca de recursos para tentar conscientizar famílias, atender crianças carentes, palestras de informações, cursos, etc. Todo blog ou site voltado ao tema é, normalmente, criado por famílias que sentem a necessidade de contar e compartilhar suas conquistas e angustias (igual mas diferente). Outros se referem a notícias, cursos e artigos (super spectro).