8 dicas para prevenir doenças típicas do inverno

Conversamos com pediatra sobre os principais cuidados que podemos tomar para evitar que nossos tistuzinhos contraiam gripe, resfriados ou até doenças mais sérias, como a pneumonia. [Leia mais...]

8 dicas para prevenir doenças típicas do inverno

Com a chegada do inverno o risco de pegar uma gripe ou resfriado aumenta, principalmente nas crianças.  As quedas bruscas de temperatura em um mesmo dia e o aumento da poluição do ar também contribuem para os quadros, assim como a convivência em locais fechados, o que facilita a propagação de vírus e bactérias. Hábitos simples de higiene são importantes para prevenção, já que o vírus permanece vivo no ambiente por até 72 horas.

Segundo Ministério da Saúde os sintomas da gripe costumam se manifestar entre dois e três dias após o contágio e duram, em média, uma semana. Febre alta permanente e dificuldade para respirar são sinais que podem indicar o agravamento do quadro.

“É melhor prevenir do que remediar”

Conversamos com a médica pediatra Ana Paula Nicolau de La Fuente sobre os principais cuidados que podemos tomar para evitar que nossos tistuzinhos contraiam  gripe, resfriados  ou até doenças mais sérias, como a pneumonia. Confira:

Manter o organismo da criança sempre hidratado, alimentação adequada e boas horas de sono evita quedas da imunidade que podem facilitar uma infecção;

Evitar compartilhar objetos de uso pessoal como talheres e copos;

Ao tossir e espirrar cobrir a boca e o nariz com lenço descartável;

Evitar tabagismo passivo;

Evitar locais fechados e aglomerações;

Lavar bem as mãos ou fazer uso do álcool gel 70% quando não for possível a lavagem;

Nesta época são utilizados muitos aquecedores, o que deixa o ar seco facilitando o ressecamento das mucosas e proliferação de organismos. É preciso manter a umidade do ar adequada. Uma dica é colocar uma bacia de água nos cômodos para manter a umidade relativa e causar menos desconforto ao nariz e à garganta;

Caso seu filho esteja apresentando sinais de gripe como tosse e espirro, mantenha-o em casa até definição do diagnóstico do pediatra e evite medicação sem orientação.

Foto: Carolina Michelotto